segunda-feira, 20 de setembro de 2010

CORRER FAZ BEM!





Além de queimar gordura e aumentar a resistência, correr traz benefícios que você não enxerga e se espalham por todo o corpo. Confira como essa atividade física age dentro de você, segundo José Carlos de Campos Velho, clínico geral dos Hospital Bene cência Portuguesa, em São Paulo.

Cérebro

Depois do exercício, produz e libera endorfina, um neurotransmissor que proporciona sensação de bem-estar. Essa droga natural também contribui para o aumento da disposição e da tolerância ao esforço físico, o alívio de dores e stress e a melhora do sistema imunológico.

Coração

Fica mais resistente e e ciente. A corrida melhora o fuxo sanguíneo nas coronárias (artérias que irrigam o órgão) e estimula a capacidade de contração do músculo cardíaco. Tudo isso afasta o risco de
aterosclerose (estreitamento de vasos por placas de gordura) que leva ao infarto.

Pulmões

Trabalham com mais eficiência, porque o exercício melhora o desempenho dos músculos envolvidos no processo respiratório (intercostais, abdominais e dorsais) e expande a capacidade da caixa torácica. Respirando mais e melhor, você expulsa o ar residual que fica “preso” nos pulmões de gente sedentária e oxigena todos os tecidos do corpo.

Músculos das pernas

Correr regularmente aumenta o número e o volume das fibras musculares, que ganham força, resistência e capacidade de contração.

“A cada seis semanas, durante uma semana, diminua pela metade o ritmo em que costuma correr e a distância percorrida. Isso ajuda seu corpo a se recuperar do esforço e afasta o risco de lesões.” - Dica da editora.


Fonte: Revista BOA FORMA

6 TRUQUES PARA NÃO PERDER O PIQUE





De vez em quando, a motivação para treinar despenca abaixo de zero. Pode ser por preguiça, desânimo ou sensação de estar obtendo pouco resultado. Normal. O importante é saber como superar essa cilada. Conheça algumas estratégias sugeridas por Luis Lopes, professor de musculação da academia Bio Ritmo, em São Paulo



  1. CONVIDE UMA COLEGA


Chame uma vizinha para malhar com você. Quando ela passar na sua casa, você não vai conseguir tirar o corpo fora. Melhor que seja alguém pessoa não muito chegada, para que você se acanhe em furar com ela.


2. CAIA NA REDE


Entre para uma comunidade voltada para malhação ou emagrecimento. Pode ser muito estimulante trocar experiências com outras internautas sobre treinos e alimentação.


3. FAÇA AVALIAÇÃO FÍSICA


O espelho engana. Quando achar que seu corpo estacionou, faça uma avaliação física. O exame, que inclui a medição do percentual de gordura corporal, por exemplo, vai mostrar seu progresso em números. Repita a avaliação a cada dois meses.


4. ESTIPULE UM HORÁRIO


Estabeleça um horário fixo para treinar. Isso cria um hábito que impede que você arrume (ou invente) compromissos que impeçam a ida à academia. E comunique a todos (chefe, marido, filhos...) que estará indisponível naquele período.


5. FOTOGRAFE O ANTES E DEPOIS


Tire uma foto de biquíni, outra depois de 45 dias e compare-as. Se perceber a evolução, comemore; caso não note muita diferença, esforce-se para treinar mais e, depois, sair bem na foto.


6. INVISTA NO VISUAL


Caprichar nas roupas e acessórios faz diferença – e não só para sua autoestima. Peças modernas e na moda mostram que você é uma garota de estilo até na hora de malhar, mas um bom par de tênis, camisetas, tops e leggings confeccionados em tecidos tecnológicos deixam o treino mais fácil e confortável.


Fonte: Revista BOA FORMA

terça-feira, 14 de setembro de 2010

CANSAÇO DURANTE EXERCÍCIO PODE SER SINAL DE PROBLEMAS






Um, dois, três, quatro. Quatro, três, dois, um! De novo: um, dois, três, qua-tro, trêeees, d-o-i-s.... Afê.

Não aguento, chega! Parece engraçado, mas essa sensação de cansaço é muito comum e atrapalha muita gente na hora de treinar.

Falta de preparo físico, respiração errada, pouco descanso, desidratação e alimentação incorreta são algumas das principais causas do problema.

Muita gente começa a treinar achando que a quantidade de exercícios interfere no resultado final e daí exagera na medida, descansam pouco, treinando demais e assim comprometem a saúde. Se o problema é a falta de preparo físico, o treino tem que ser gradativo.

Para que o aluno melhore o rendimento, não basta ficar sempre na mesma intensidade. É necessário que comece a receber pequenos estímulos para que a frequência cardíaca varie entre a alta e a normal. Só assim o condicionamento físico vai melhorar e o aluno vai poder dar adeus ao cansaço.

O primeiro passo

· Procura um médico para um check up, somente com o aval de seu médico, você deve começar a se exercitar.

· Faça uma avaliação física antes de iniciar o treino. É por meio dela que detectamos o treino mais adequado. A avaliação é simples e pode ser feita na academia, hospital, laboratório ou clube.

· Com a avaliação, podemos programar a intensidade e a potência do treino, sem prejuízos para a saúde.

· O programa de treinamento deve ser progressivo, ou seja, avançar de acordo com o nível de condicionamento físico e necessidade do aluno.

Você sabe como está a sua pressão?

A pressão sanguínea demonstra a resistência do seu coração. Se você tem um melhor condicionamento físico, em decorrência da prática regular de exercícios físicos, e segue uma alimentação balanceada, a pressão fica mais baixa.

Por isso, o exercício é um ótimo aliado para prevenir e controlar a pressão alta. Durante o exercício físico, a pressão tende a subir, mas o nosso organismo se adapta a situação, permitindo a dilatação ou constrição dos vasos sanguíneos, ajudando a mantê-la estável. Se ela se alterar muito, é sinal de que tem algo errado com o seu organismo.

Nível de ferro

Um dos motivos para o cansaço que impossibilita a manutenção do nível de esforço pode ser a ocorrência de anemia, que se caracteriza pela baixa quantidade de ferro no organismo. O médico deverá interpretar o seu exame para decidir se você deve ou não treinar e qual seria a intensidade do treino.

Nível de colesterol

Ele também indica como anda seu coração, e se as taxas de gordura no sangue não estão elevadas ao ponto de obstruir as artérias e aumentar a pressão sanguínea.

Gordura corporal

Se os índices de gordura corporal forem altos, a tendência é que a pessoa sinta mais cansaço até voltar ao peso ideal. O ideal é que o profissional de educação física e o profissional de nutrição trabalhem juntos para não deixar que o atleta exagere na dose de exercícios e comprometa a saúde.

Depois do check up, o treino.


1. Comece devagar, faça exercícios de 3 a 4 vezes por semana em dias alternados e vá aumentando a intensidade e os dias de exercício.

2. Mantenha uma rotina de 4 a 6 vezes por semana de exercícios regularmente.

3. Faça um bom aquecimento antes dos exercícios e alongamento depois do treino.

4. Beba água na quantidade certa. A hidratação é fundamental para repor líquidos e nutrientes, perdidos durante os exercícios.

5. Use roupas e calçados apropriados para a atividade que você irá fazer. As roupas devem ser leves. Se forem pesadas e muito quentes, poderão aumentar o cansaço durante o exercício. O mesmo serve para os calçados. Se forem inadequados, poderão incomodar e até machucar os pés durante e depois do exercício e causar cansaço em excesso.

6. Use boné, óculos e protetor solar se você estiver treinando na rua e prefira um horário em que o sol está mais fraco.

7. Respeite o seu limite e período de descanso de acordo com o seu nível de condicionamento físico e a atividade praticada.

8. Respire pela boca, pois há um maior fluxo de oxigênio. Quanto mais intenso, mais curta se torna a respiração. É importante fazer exercícios respiratórios para melhorar o seu fluxo respiratório. O yoga é uma boa dica para melhorar a respiração.

OS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR PARA A VIDA DOS DIABÉTICOS




De acordo com estudos científicos, a atividade regular é capaz de melhorar a glicose, as funções cardíacas e respiratórias e ainda fazer a manutenção da força muscular.

É mais do que comprovado que a prática de exercícios físicos traz benefícios infindáveis para a saúde das pessoas. Quanto pior o condicionamento físico da pessoa, maior a chance de ela ter hipoglicemia e maior o consumo de energia. À medida que ela melhora a performance, porém, o controle glicêmico começa a melhorar e isso passa a ser uma maneira de educar o diabético no seu dia a dia.

Precisa ocorrer é uma orientação individualizada sobre a prática de exercícios físicos. É necessário observar o condicionamento, saber quais são suas limitações e quais medicamentos ele consome.

O exercício aeróbico e a musculação podem ser benéficos para os diabéticos. Não impor exercício é importante para o portador da diabete. O melhor é a atividade que mais lhe agrada.

Monitorar a glicemia antes, durante e ao final da atividade física é fundamental. O diabético deve conhecer o próprio corpo e também mensura a glicose para poder se alimentar.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

BRASIL I CONQUISTA O OURO NO TORNEIO DE HANDEBOL MASCULINO DOS JOGOS PAN-AMERICANOS ESCOLARES EM JUIZ DE FORA - MG



A equipe do Brasil I, representada pelo time do Mato Grosso, é a grande campeã do torneio de handebol masculino dos Jogos Pan-americanos Escolares. O time venceu, por 26 X 14, a equipe do Brasil II, formada por alunos do Colégio Metodista Granbery. A partida, realizada na tarde deste domingo, 29, encerrou a programação esportiva da competição.

O Ginásio Poliesportivo da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) estava lotado para acompanhar o jogo entre as duas seleções. A equipe de Mato Grosso saiu na frente no marcador, mas logo os juizforanos reagiram e não deixaram que os adversários abrissem grande vantagem no placar.

O ataque do Brasil II era menos eficiente que o do Brasil I. Os principais lances de perigo da seleção local paravam nas defesas do goleiro Dionatan Schwade. A sorte também parecia estar ao lado da equipe visitante, que por várias vezes viu a bola raspar na trave e sair. Na saída para o intervalo, o resultado parcial era de 13 X 5.

Mesmo com o placar desfavorável para o Brasil II, a torcida de Juiz de Fora empurrava o time, que chegou a esboçar uma reação. Em quadra, a seleção local tentava corresponder ao incentivo da torcida, mas os ataques esbarravam na forte defesa do Brasil I. Os juizforanos viam diminuir o tempo para reagir, e a vantagem no placar chegou a 12 pontos para os visitantes faltando poucos minutos para o fim do jogo.

Depois do apito final, comemoração da seleção do Brasil I, que venceu os cinco jogos que disputou na competição.

Para o técnico do Brasil II, Carlos Griber, a equipe cumpriu o que se propôs a realizar no torneio. “Queríamos chegar à final, e conseguimos. Isso é o mais importante para nós”, avalia.

O Prefeito de Juiz de Fora, Custódio Mattos, entregou a medalha de prata aos atletas locais. A medalha de bronze foi entregue aos guatemaltecos pelo secretário geral da International School Sport Federation (ISF), o belga Jan Coolen. A seleção do Brasil I recebeu o ouro das mãos do Presidente da ISF, Andrea Delpin.

Ficha Técnica

Brasil I

Maicon Rosário

Loreni Júnior

Isaque Costa

Alan Silva

Weslley Iung

Orlando Cerqueira

Walinson Souza

Cléber Andrade

Mike Jucoski

Alessandro de Souza

Douglas Agemann

Dionatn Schwade

Técnico: Éder Alemida.

Brasil II

Lucas David

Felipe Rossignoli

Renan Amaral

Flávio Rosa

Gustavo Oliveira

Matheus Soledade

Vinícius Abraão

Éricles Silva

Nicholas Castilho

Heber Modesto

André Souza

Iago Mello de Arêdes

Técnico: Carlos Griber (Prof. Guto)

JOGOS PAN-AMERICANOS ESCOLARES - BRASIL II VENCE GUATEMALA NO HANDEBOL MASCULINO E ESTÁ NA FINAL EM JUIZ DE FORA - MG



O segundo jogo das semifinais do torneio masculino de handebol, disputado por Brasil II (local) e Guatemala na tarde deste sábado, 28, terminou com vitória dos juizforanos por 23 x 21. Com o resultado, a seleção, representada por alunos Colégio Metodista Granbery, enfrenta o Brasil I (nacional) na final deste domingo, 29.

Antes do jogo, o clima de decisão já tomava conta da torcida. Do lado dos brasileiros, os alunos do Granbery animavam o time. Já os guatemaltecos recebiam o incentivo da seleção feminina de handebol do país. Iniciada a partida, logo no primeiro lance, o Brasil II abriu o marcador, indicando que a disputa seria repleta de gols.

As duas seleções aproveitavam todas as oportunidades de ataque, mas, tanto o goleiro brasileiro quanto o guatemalteco, fechavam a defesa. Com o jogo muito equilibrado, o resultado no placar estava sempre próximo. Em toda a partida, a diferença não superou os quatro pontos. Ao final do primeiro tempo, o resultado era de 13 X 13.

Após o intervalo, a rivalidade dentro de campo chegou às arquibancadas. Cantando ainda mais forte, os torcedores brasileiros, em maior número, vibravam a cada lance de ataque e cruzavam os dedos nas jogadas de perigo da equipe adversária. Com as duas seleções ainda mais concentradas, apenas dois gols foram marcados em sete minutos de jogo.

Conforme o tempo passava, a partida ficava ainda mais emocionante, com as duas equipes brigando pela dianteira no placar. Mas a partir da metade final do jogo, o time de Juiz de Fora tomou a frente e abriu uma pequena vantagem, que foi mantida até o final da partida.

Depois da partida, emoção dos jogadores da Guatemala. Quase todos os atletas choravam a derrota. Os companheiros do Brasil II aplaudiram a equipe adversária, que neste domingo, 29, enfrenta a seleção do Paraguai na disputa pelo terceiro lugar na competição.